15 de dezembro de 2009

Regeneração da vida marinha na Arrábida

Decorria o ano de 1998 quando se procedeu à criação do Parque Marinho Professor Luiz Saldanha, inserido no Parque Natural da Arrábida. O parque compreende a frente marítima entre as praias da Foz e da Figueirinha, com uma extensão de 38 quilómetros de costa rochosa. Ao todo, são 53 quilómetros quadrados de área marinha.
O principal objectivo da criação deste parque foi o de garantir a conservação da biodiversidade e o futuro dos recursos pesqueiros nesta maravilhosa zona da costa Portuguesa.
Para o efeito, em 2005 o Plano de Ordenamento estabeleceu regras apertadas e rigorosas para todas as actividades que podem desenvolver-se nas diferentes zonas do Parque Marinho, pondo assim termo à pesca “selvagem” que quase vitimou definitivamente este verdadeiro santuário da vida marinha.
Em todo o Parque foi proibida a pesca comercial de embarcações não licenciadas, a pesca por artes de arrasto e por apanha comercial ou lúdica, a caça submarina e a navegação com motos de água.
Passados apenas 3 anos os resultados já começam a ver-se, e são evidentes os sinais de regeneração nesta que é considerada uma área única a nível nacional e europeu. Mais de mil espécies de fauna e flora marinha fazem deste pedaço de costa um paraíso para quem mergulha.
Este é verdadeiramente um exemplo a seguir em muitas outras zonas costeiras do nosso país, e que trará benefícios a curto, médio e longo prazo para todos, inclusive para os pescadores, que tanto se queixaram, mas que vêm agora os stocks pesqueiros da zona a aumentarem para níveis inimagináveis há 3 anos atrás.

6 comentários:

  1. Afinal, neste consulado também se acertam nalgumas!

    ResponderEliminar
  2. Ah sim ! nem eu eu defendo que este consulado só faça asneiras. Nalgumas coisas a rapaziada do consulado lá teria de acertar, não é ?
    Não acertam é tanto como nós precisávamos.

    ResponderEliminar
  3. Que bom Eduardo!
    Que bom, "ouvir" boas notícias e essa acho mesmo um prodígio! Obrigada pela partilha. :)

    ResponderEliminar
  4. Eduardo, muito obrigada pelo seu eforço para colocar o filme... segui a conversa via mail, lá no foguetório e estava toda contente!
    Nem imagina Eduardo, o quão é importante para mim a divulgação desse vídeo... tanta gente que fica para trás e é preterida, por não ser um génio, no que está pré estabelecido. Deve haver milhões de pessoas que se sentem inúteis, ou que nunca conseguiram descobrir para o que nasceram. É necessário abrir fronteiras, rasgar convencionalismos. Muito obrigada aos dois... Eduardo e Paulo Lobato. :) Bem hajam!

    ResponderEliminar
  5. Não tem nada que agradecer, porque também a mim o video me tocou bastante. As questões da educação e dos talentos que todos temos é algo que sempre me interessou. Aliás, o talento e a predisposição para fazermos coisas de que gostemos é tema com pano para mangas ... olha ! cá está um belo tema para um post !
    Vou começar a trabalhar nisso e pode ser que um dia escreva para aqui alguns dos meus devaneios em relação a essa matéria.

    ResponderEliminar
  6. Faça isso Eduardo... os talentos do futuro, os nossos filhos, têm de ser protegidos...
    O filme é muito revelador. Há muito pouca esperança nesta sociedade, onde se criaram autómatos e que agora são dispensáveis.
    Quem tem muito pouco raciocínio lógico, que é o meu caso, à partida está condenado...
    Faça os seus devaneios. :))

    ResponderEliminar