1 de dezembro de 2009

Desabafo

Entra-se e sente-se o peso desmesurado a espalmar-nos contra um chão sujo, não pelo aspecto higiénico, mas pelos passos de gente suja que o pisa.
O ar é irrespirável, sulfuroso, e parece não se mover há décadas.
É como se o ar fosse o elemento contaminador de tudo, como se fosse ele que descaracteriza as personalidades que o inalam e exalam vezes sem conta, o mesmo ar, vezes sem conta, dentro e fora, dentro e fora.
Aquele ar já passou pelas entranhas de todos, a cada inalação é como se sentíssemos as entranhas deste e daquele a espalharem-se por nós dentro.
É nojento, é angustiante, pior que isso é triste, muito muito triste.
É uma tristeza que vem de dentro, não é algo visível, palpável, não é como ver um amigo ou ente querido morto, é pior, é sentir que somos nós que estamos mortos, mortos por dentro, e pior que tudo isso, sem direito ao descanso que os mortos têm.
Ser morto sem sossego e ter de viver morto com os olhos abertos e sentir tudo isto é tortuoso, é indigno e é a pior forma de morrer vivendo.

19 comentários:

  1. Meu caro amigo, não fosse a família (a tua) e perguntava-te se nunca pensaste em juntar-te aos pobres :)

    ResponderEliminar
  2. Eduardo, já aqui vim antes ler o texto e fiquei sem palavras para comentar. Continuo na mesma. Mas vou tentar: excelente texto, duma emotividade e tristeza quase transcendente, e que espero sinceramente não traduza realmente o que sente.

    ResponderEliminar
  3. Paulo, obrigado pelo elogio.

    Rui, vindo de ti, fico até encavacado. Obrigado
    amigo.

    Benjamina, muito obrigado pelas palavras elogiosas. Por natureza até sou um grandessíssimo bem disposto e laracheiro, mas todos temos os nossos momentos e situações de maior triseza e introspecção, não é ?

    ResponderEliminar
  4. Nem sei o que dizer Eduardo... é que sinto exactamente o mesmo e nunca o conseguiria exprimir tão bem...
    É um coma tortuoso. Tenho apenas uma luz ao fundo do túnel, que possa ajudar a saír deste lamaçal, mas muito, muito ténue. :(

    ResponderEliminar
  5. Fada, termos momentos de tristeza toca-nos a todos, o truque não está em eliminá-los, mas sim em contorná-los.
    Quem tem um dom e uma sensibilidade para fabricar obras de arte como as que você apresenta na sua oficina, quem tem, como já a ouvi dizer por ai, um marido maravilhoso, quem tem uma vista como aquela que vejo pela janela por detrás da cómoda restaurada, quem tem a vivacidade e a força de escrever o que você escreve, não está seguramente em coma.
    Pode pensar que está, mas efectivamente não está.
    E se vê uma luz, ténue, só tem de abrir o postigo, vai ver que se torna num clarão.

    ResponderEliminar
  6. Obrigada Eduardo por tão motivantes palavras.
    Obrigada Eduardo pelo bem que me fez!
    Obrigada por ser como é.
    Obrigada por haver Homens como o Eduardo!
    Um abraço sentido. :)

    ResponderEliminar
  7. Amigo EDUARDO não lhe posso exigir que esteja sempre aquele amigo bem disposto e de fino humor a que nos habituou nos seus escritos ... e ademais, ensina-me a vida que nem sempre aqueles que parecem almas joviais na escrita o são na realidade, mas em si parece-me que sim (aliás, está ali em cima essa confissão), mas lendo-o fica-se esmagado, quase sem ar. Espero que essa nuvem aziaga tenha sido passageira e hoje o encontre melhor, de humor mais vivo e com ânimo redobrado!

    ResponderEliminar
  8. Eduardo
    O seu texto lembra-me o desassossego do Bernardo Soares... já nos habituou a uma escrita fluente, clara e contundente, mas este texto foi uma surpresa total...
    Parabéns pelo texto e obrigada pelo efeito que o seu comentário teve na minha desassossegada irmã Fada.

    ResponderEliminar
  9. Fada, esse abraço chegou cá que eu sentio-o :-)))
    E hoje, em especial é bem vindo o abraço, que hoje passei a fazer parte do grupos dos "entas" !!! eheheh
    É verdade, hoje tocou-me a mim fazer 40 aninhos.
    Um forte abraço também para si e ... bola p´rá frente, que atrás vem gente !

    ResponderEliminar
  10. Amigo FP, as núvens, leva-as o vento !
    E hoje, como pode reparar pelo comentário anterior em resposta à nossa querida amiga Fada, é dia de festa cá para o rapaz e apesar da chuva, não há núvem que me moleste.
    Quanto aos elogios ao texto, só posso agradecer.

    ResponderEliminar
  11. Manuela, obrigado pelos elogios, e quanto à mana Fada, cheira à distância que é "gente fina", que só tem mais é que ser feliz.
    OS governantes que se lixem, que nós temos uma vida para viver, e só por cá passamos uma vez !

    ResponderEliminar
  12. Parabéns Eduardo e obrigada.
    Parabéns pelos "entas" e pelo texto. :)
    A única coisa que lhe desejo é que seja feliz.
    Quanto ao desassossego que a irmã Manuela fala, é por ter uma filha e uma filha sem trabalho a 3 é ruim... se fosse só eu e o marido, não havia problema. As agruras da vida...
    Quanto á sua festa "bota pra bingo" que o Eduardo bem merece uma "festonça" sem fim! :)))

    Bem haja por ser tão humano, na verdadeira acepção da palavra!

    ResponderEliminar
  13. Parabéns, Eduardo. Bem-vindo aos "entas", eu e Fada já por aí andamos há uns anitos :)
    Peço desculpa pelo atraso, mas parece que foi só por uns minutos...
    Que os seus "entas" sejam melhores que os "intas"
    Um grande abraço e haja alegria de viver!

    ResponderEliminar
  14. Manas ! obrigado pelos parabéns.
    Se por acaso as letras hoje aparecerem "tortas", não estranhem, que isto hoje a vista está meio turva :-)))

    ResponderEliminar
  15. Eduardo
    Não há letras tortas, nem erros, o esforço parece valer a pena :)
    Parabéns

    ResponderEliminar
  16. Ai o amigo andava enovoado à conta de entrar nos quarenta?
    Ó homem de Cristo, isso estou lá eu há uns cinco anos e tirando uma dor, ora deixe cá ver, no joelho direito, no tornozelo esquerdo, o ombro esquerdo com alguma ferrugem, o "core" teimoso a dar uma luta danada, não sei quantos dentes tratados, óculos em cima das vistas, a coluna lá em baixo a doer de vez em quando, estou aqui rijo como um pêro!
    Amigo, parabéns retardados e que seja por muitos e longos anos.

    ResponderEliminar
  17. Por enquanto Benjamina, por enquanto !
    À tarde sou capaz de estar pior, é que as ressacas nos Alentejanos atacam mais pela hora da sesta !

    ResponderEliminar
  18. FP, não estou enevoado pelos 40, estou enevoado pela carga etílica de ontem, que é bem diferente ... para melhor.
    Obrigado.

    ResponderEliminar