14 de fevereiro de 2011

Praça Tharir - Acordo Ortográfico, qual a relação ?

Durante o período de tempo que duraram as manifestações na Praça Tharir, fomos, nós Portugueses, presenteados com mais uma pérola resultante do tão sui-géneris acordo ortográfico.
Quem não viu, nas páginas dos jornais ou nos ecrãs de televisão, em rodapé, notícias relativas ao estado das manifestações no Egito (sem “p”), para logo de seguida os mesmíssimos jornalistas se referirem à força e determinação do Povo Egípcio (agora já com p).
Das duas uma, ou não tinham tirado o “p” ao Egipto, ou então, tinham “acordado” que a partir de agora já não existiam mais Egípcios (com “p”), mas sim … Egicios ou Egitcios (escolham a que mais lhes convier).
É, de facto, uma vergonha o atentado que este acordo ortográfico constitui para a língua Portuguesa, e presta-se a situações caricatas como esta que acabo de relatar.
Todos sabemos, e não leiam nas minhas palavras qualquer nacionalismo exacerbado e bacoco, que este acordo serviu uma série de interesses e que se vergou ao número de falantes da nossa língua com “sotaque”. Bem sei que no Brasil se diz Egito, mas não teria sido este acordo uma excelente ocasião para reforçar e revitalizar a língua Portuguesa junto dos restantes povos que a têm como língua oficial, tentando que fossem estes a melhorar e a incorporar a correcção da nossa (deles também) língua Portuguesa ?
Penso que sim. Assim como penso que uma língua viva sofre obviamente alterações, que se incorporam com o tempo e com a racionalidade do seu uso, mas nunca através de imposição por lei ou decreto como aquele que agora foi feito.

Quanto a mim, vão-me desculpar, mas Egipto foi, é, e há de continuar a ser com “p” !

6 comentários:

  1. E continuará a ser com P, mesmo com o novo acordo, porque o P não é mudo (tadinho), lê-se. Claro que há jornalistas tão à frente que já escrevem de acordo com o acordo de 2020.

    ResponderEliminar
  2. Ó Rui, obrigado pela tua sempre valorosa ajuda nestas questões linguísticas.
    Eu estava a fazer-me cá uma urticária esta questão !
    É o que faz termos um jornalismo "evoluido".

    ResponderEliminar
  3. Eduardo,
    Parabéns, muitos parabéns!
    Sabia que eras um homem de coragem, mas não me tinha apercebido dessa tua faceta de D. Quixote.
    Acordo ortográfico? E preocupaste com isso? E procuras entender o "porquê" do mesmo? E esqueces que continuamos de cócuras perante tudo o que nos é imposto, venha de onde vier? E queres entender porque é que uns escrevem assim, e outros de outra forma?! Esquece!
    Parabéns pelo teu GLORIOSO que ontem foi um herói! Fez-me estar tempos infinitos, paradinha na 2.ª Circular, mas nem me preocupei. Foi por uma boa causa, ou não?!
    Beijinho.

    ResponderEliminar
  4. Bem visto.
    Estou de acordo com a tua visão do acordo.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  5. Ó Teresinha, sabes que isto, dado o meu estado (físico) actual estou mais próximo do Sancho Pança que do D.Quixote :-))))
    Estas questões com a língua mexem muito comigo.
    Foste ver o nosso Glorioso ?
    Grande "joga", mas contra os árbitros do FCP não há nada a fazer.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  6. Fernando Samuel, estamos então de acordo com o desacordo !

    ResponderEliminar