23 de setembro de 2009

Reciclagem em Portugal dá passo atrás.


A Sociedade Ponto Verde anunciou hoje que, para evitar a falência, irá abandonar já a partir de Outubro a retoma e envio para reciclagem dos plásticos mistos (embalagens de manteiga e iogurtes, por exemplo).
Desde 2007 que passou a ser possível depositar os denominados plásticos mistos no contentor amarelo do Ecoponto. Esta facilidade causou no entanto um incremento no custo relativo ao processo de selecção dos lixos, que é efectuado por entidades (leia-se empresas) criadas a nível municipal.
Segundo o Presidente do C.A. da Sociedade Ponto Verde, os plásticos mistos representam 2% das embalagens recolhidas, mas consumiam já 13% dos recursos da empresa.
Esta é a explicação apresentada pela SPV, e é aceitável, o que me parece menos aceitável é que uma empresa que foi criada, por produtores, importadores e distribuidores de embalagens com vista a que se cumprissem as metas legais de reciclagem, dê agora um passo atrás com esta justificação.
A verdade é que a SPV já atingiu hoje o valor previsto em termos de metas de reciclagem previstos para 2011 e quer agora "aliviar" as suas finanças.
Só que ao fazê-lo está a obrigar o País a dar um grande passo atrás em matéria de protecção ambiental, uma vez que os tais plásticos mistos passarão agora a ser incinerados ou depositados em aterros.
Parece-me um passo atrás vergonhoso e que carecia de intervenção das autoridades competentes (Ministério do Ambiente ?) para o evitar.

8 comentários:

  1. E no meio disto tudo ainda há algo que eu não entendo. Reciclar, significa voltar a dar uso, ou seja, pegar por exemplo em papel, voltar a transformá-lo em pasta e de novo em folhas. Creio que será mais barato que plantar árvores, esperar que cresçam e abatê-las, ou seja, há um ganho. Ganho que, presumo, no mínimo cobrirá os custos de recolha que a reciclagem acarreta. Mas também o lixo corrente tem que ser recolhido. Das duas uma: ou as autarquias não transferem para essas entidades as verbas que poupam com o menor volume de lixo que é da sua competência, ou essas empresas são mal geridas e exemplos do que acaba inevitavelmente por acontecer às empresas públicas: antros de incompetência e ineficiência pejados dos boys partidários e outras cunhas.

    ResponderEliminar
  2. Para ajudar a SPV, vou deixar de beber yogurtes.

    ResponderEliminar
  3. Isto vai de mal a pior! é inadmissível!
    Transtorna-me e cada vez mais e mais revoltada fico, com este País que em vez de andar para a frente, teima em anda para trás!
    Só lhe digo, não tem explicação!

    ResponderEliminar
  4. Paulo,
    continue lá a beber os yogurtes, porque o problema não são os seus yogurtes, o problema são os "manteigueiros" dos nossos políticos e dos pseudo-gestores destas empresas, que mais não são que uma cambada de "boys" nos seus dourados "jobs", que se estão a encher, mas que são tão estúpidos que nem conseguem alcançar que o planeta que vão deixar para os seus filhos é insustentável.

    Fada,
    isto vai lá, com dificuldade mas vai, não na nossa geração mas nas 2 próximas isto vai lá. Só que vai na base da porrada. Porque quando abrirem a torneirinha e não pingar gotinha, as pessoas vão revoltar-se e vão atirar-se que nem "gato a bofe" aos bandidos que (des)governam o planeta. Vai haver político morto á porta de casa que nem tordos.
    E quando isso acontecer isto muda, porque no final das costas eles têm o mesmo que qualquer um de nós.

    ResponderEliminar
  5. Rui,
    pelo que andei a ler deu para ver que este negócio da reciclagem, á imagem doutros que tu já conheceste e que eu continuo a conhecer, aderiu á moda do "outsourcing". Ou seja a SPV, como que subcontrata as empresas de recolha e separação, que isto é "têta" que tem que dar para todos, só que com tanto "mamão" a chupar a "têta", esta secou !
    Vê lá tu que até para apanhar a porcaria do lixo é preciso subcontratar !
    Eu fico parvo é como é que há tanto desemprego, porque por esta lógica nem devia de haver desemprego, então isto para um trabalho que se fazia com uma pessoa, subcontratam-se quinze ou vinte !

    ResponderEliminar
  6. E como nós bem sabemos, Eduardo, essas subcontratações dão sempre contrapartidas a alguém. Há uma mentalidade subjacente ao português que eu não consigo entender e que enquilha o que quer que se pretenda fazer deste país. É a lógica do salve-se quem puder. Fazendo a analogia futebolística, parece a nossa selecção a jogar :)

    ResponderEliminar
  7. Ele há muita coisa que a SPV devia explicar melhor, em nome da transparência.
    Penso que as contas estarão muito mal contadas e este assunto também. Só querem é muito lucro, ou também quererão subsídio?
    Esta história não me convence...

    ResponderEliminar
  8. E depois querem, que uma pessoa sensata, seja optimista!
    A minha mana Cila, trabalha numa empresa subcontratada, que deixou de o ser... diz que já só dava despesa e que a China se recusou a importar, porque o transporte fica muito caro!
    Ou será, que o chineses gastaram demais a comprar armamento, aos americanos?!
    Isto vai cá uma confusão!

    A transparência já só existe na água e não em toda, mas numa percentagem mínima!
    Espero que o Eduardo tenha razão quanto aos poderosos!... Até lhes dediquei um pequeno vídeo no Sustentabilidade...

    ResponderEliminar