20 de outubro de 2009

Cátedra Rui Nabeiro

Numa altura em que cada vez mais somos bombardeados com notícias que nos dão conta de empresários desonestos, corruptos e que em nada contribuem para o bem estar das sociedades, parece-me da mais elementar justiça, falar dum empresário, Português, e que é um exemplo do que de mais positivo se pode esperar de alguém que tem dinheiro, tem poder, mas acima de tudo tem princípios e tem um coração de ouro.
Falo, como é óbvio, do Sr. Comendador Rui Nabeiro, presidente do Grupo Delta Cafés.
Muitos têm sido os meios de comunicação social que têm feito programas e escrito artigos sobre a história da sua vida e da forma como ele construiu um império financeiro a pulso. Mas, a meu ver, pouco se tem falado das suas acções filantrópicas.
E é sobre uma dessas suas ultimas acções de amor ao próximo que gostaria de fazer eco aqui.
Muito pouco se noticiou sobre a Cátedra Rui Nabeiro, e no entanto, muito se deveria de ter dito acerca desta iniciativa, uma vez que se trata da primeira Cátedra instituída por uma empresa em Portugal.
A Cátedra Rui Nabeiro foi criada por acordo entre a Delta Cafés e a Universidade de Évora.
Trata-se de uma Cátedra destinada à promoção da investigação, do ensino e da divulgação científica na área da Biodiversidade.
Quando hoje temos, no Mundo inteiro, milhares e milhares de empresários que enriquecem á custa de negócios que arrasam com os recursos do nosso planeta, penso que é um orgulho para todos os Portugueses, termos em Portugal um empresário de grande sucesso, que aplica uma parte dos seus recursos a uma causa que visa, sobretudo, desenvolver esforços no sentido da preservação do ambiente e, em particular, da fauna e da flora, bem como antever os cenários que poderão resultar das previsíveis alterações climáticas e das constantes intervenções antropogénicas decorrentes do desenvolvimento das sociedades humanas.
Mais uma vez, Rui Nabeiro dá um exemplo de sabedoria e de saber estar na vida.
Pena que sejam poucos os que lhe seguem o exemplo.
Da minha parte, enquanto Português, mas acima de tudo enquanto habitante do Planeta Terra, o meu muito obrigado ao Sr. Comendador Rui Nabeiro, e um grande bem haja.

13 comentários:

  1. Perfeitamente de acordo.
    Aliás, tanto quanto este é daqueles empresários que sendo patrão procura saber dos problemas pessoais e necessidades dos seus funcionários.
    Assim, sim!

    ResponderEliminar
  2. Subscrevo por inteiro.
    Lembro-me de o ouvir dizer numa reportagem, que seria mais económico estar "sediado" em Lisboa porque a matéria-prima vem de "fora", e por isso tem de viajar até Campo Maior; posteriormente regressa a Lisboa (litoral) seu principal mercado.
    Diz tudo.

    ResponderEliminar
  3. Olá Eduardo

    É bom saber que há pessoas assim como o Rui Nabeiro. É pena não haver muitas mais.

    E porque gosto deste blogue,deixei lá no Sustentabilidade é Acção um selinho "Seu blog é VIP" para o CHEGATEAQUI, sem qualquer "imposição". Apenas uma lembrança.
    Com um abraço.

    ResponderEliminar
  4. Ferreira-Pinto, se for a Campo Maior e por lá encontrar um desempregado, digo-lhe já que está na presença do maior mandrião de todos os tempos.
    Quem seja de lá, e fique desempregado, o Nabeiro emprega. É preciso é que não virem a cara ao trabalho, porque se o fizerem, ele também não atura "chulecos".

    ResponderEliminar
  5. Paulo, não ouvi essa reportagem a que se refere, mas de facto essa atitude dele define o calibre do homem em questão.
    É caso para dizer :
    -Este homem é um Senhor !

    ResponderEliminar
  6. Manuela, muito obrigado pelo selinho. Nem sei como é que essa questão dos selos funciona.
    Logo à noite com mais tempo lá em casa, logo vejo como é que lhe posso retribuir a amabilidade.

    ResponderEliminar
  7. O exemplo de Nabeiro é ainda mais flagrante porque veio de baixo. É que o mundo está cheio de gente que veio de baixo e que, ao contrário do que seria de esperar, são mais exploradores e insensíveis do que os que já nasceram ricos. E lembro-me de ainda há pouco tempo, numa reportagem sobre como viviam as famílias portuguesas em tempos de crise, um desses homens que "subiram a pulso" (isto é, algum mérito, mas muita sorte à mistura) afirmar que os seus operários ganhavam o ordenado mínimo.

    ResponderEliminar
  8. Olá Eduardo,

    O Eduardo tem aí um exemplo de peso de como se pode prosperar, com base na ética e no bom senso.
    Já vi duas entrevistas com esse granda Senhor na televisão. Até o Sérgio o entrevistador ficou comovido com a umildade e altruísmo de semelhante pessoa! Foi há uns meses, mas não me esquecerei.
    Tenho tanta admiração por ele, que há anos, só entro num café, se tiver o símbolo da Delta. É que não duvide. Além do mais é o melhor café do mundo, parecendo os outros uma zurrapa difícil de engolir! :)
    Fazem falta muitos empresários e pessoas assim!

    ResponderEliminar
  9. No post, decidi centrar-me na questão da Cátedra. Mas são muitas mais as acções beneméritas do Rui Nabeiro, entre as quais destaco as ofertas, praticamente anuais, de caríssimos aparelhos Hospitalares que ajudam milhares e milhares de Portugueses doentes.

    ResponderEliminar
  10. Eu sei... Eduardo, um Homem fora de série!

    ResponderEliminar
  11. Mesmo assim ainda emprega pessoas com problemas, ou seja inserção social, sabemos que estas pessoas não dão o litro normal como os outros, e quando me refiro ao normal é mesmo normal porque ninguem anda a correr atras de ninguem, cada um sabe o que é melhor para manter a empresa, têm que lutar não pelo emprego mas pelo posto de trabalho.
    Enfim, é mesmo para dizer, a fabrica é de todos e todos têm o direito de a defender.
    Eu não trabalho lá, por isso, não julguem que eu estou a "puxar a brasa a minha sardinha".

    Um grande Homem, uma grande Empresa.

    Como Campomaiorense, penso assim.

    Cumpr.

    ResponderEliminar
  12. Camponês, antes de mais, obrigado pelo seu comentário.
    Fico feliz por podermos contar aqui com o contributo dum natural de Campo Maior, que melhor que ninguém pode atestar da excelência do trabalho desenvolvido pelo Sr. Rui Nabeiro.

    ResponderEliminar
  13. O meu marido tem uma GRANDE ADEMIRAÇÃO por V.excelência Sr.Rui Nabeiro. Gostaria de conhecer pessoalmente pela sua SIMPATIA,GRANDESA E GRANDE HONESTIDADE. Moramos na Cidade de Penafiel o meu nome Filipa de Viena Mendonça Soares Frederico de Albuquerque Marques o do meu marido Jorje Carlos Freire Marques. filipalbuquerque@sapo.pt telmov.911932120. Com os melhores cumprimentos.

    ResponderEliminar