17 de janeiro de 2010

Triste candidatura Alegre.

Triste candidatura Alegre a Belém.

Triste, porque afinal, para Manuel Alegre, já não é preciso alargar a cidadania e já lhe parece que afinal a sua candidatura pode e dever partir do directório dum partido político, no caso o (de novo) seu PS.

Triste, porque afinal, agora a senhora da pastelaria, o míudo do talho, ou até mesmo a moeda que atirou ao ar em 2006, o fizeram mudar dum irredutível “nim”, para um claro sim.

Triste, porque afinal, passados tantos anos a lutar pela liberdade, a mesma já não o move como dantes e prefere andar de mãos dadas com o medo, revê-se nos esbirros do Santo Ofício ou até mesmo nos bufos da PIDE.

E assim cai a máscara do poeta Alegre, tristemente, diga-se. A mim, no entanto, Alegra-me que mais uma vez, um dos fundadores do PS me venha dar, de novo, razão ao que sempre tenho afirmado sobre os "produtos" do Largo do Rato.
Foi, é e continuará a ser o partido dos oportunistas políticos, que não conhecem o termo “matriz ideológica”, e que conduziram, mais que quaisquer outros, Portugal ao seu estado actual.

23 comentários:

  1. OHH Eduardo! Acabei agora de saír do Foguetório, acabei de dar umas boas bordoadas nos de Esquerda que botam abaixo! Então?! Isso faz-se?!
    Queres o Cavaco em Belém?
    Eu estou pasma! :(

    ResponderEliminar
  2. Não querer Alegre, não significa que queira Cavaco. A critica que aqui faço, é de que um político sem memória, não é um político, é um oportunista.
    E Alegre, pelos vistos, está com muito pouca memória.
    E contra factos não há argumentos, basta que se leia o que ele disse há pouco mais de 3 anos, abrindo os links que estão neste post.
    Mas também ,como digo, não me surpreende, primeiro porque nunca nutri por ele qualquer tipo de admiração, já tinha discordado da forma como geriu a sua situação de deputado nos ultimos anos, e ... las but not least, ele é apenas mais um burguês com discurso de esquerda, porque fica bem ! em suma ... é do PS !

    ResponderEliminar
  3. A questão que aqui é abordada é interessante e fará parte da agenda noticiosa e blogosférica durante muito tempo, admitindo que o seja em descontínuo.

    Contrariamente ao que a FADA entrevê, criticar Manuel Alegre não significa querer Cavaco Silva em Belém, antes vislumbrar aquilo que na anterior campanha presidencial muitos quiseram convenientemente esquecer.

    Eu sei que o personagem por estas bandas nunca reuniu capital de simpatia, mas Manuel Alegre só chegou ao simbólico e mágico milhão de votos porque convenientemente vendeu a imagem de estar contra ... José Sócrates! Mais nada. E, na altura, estar contra José Sócrates estava a dar e rendia.

    Pessoalmente confesso e digo que este pode ser fraco (e é-o), mas Alegre não é muito melhor. Basta ver o comportamento que teve! Estou contra, mas não abandono nenhuma das minhas sinecuras: eis o seu comportamento.

    A Alegre, como a quase todos os referentes maiores da nossa cena política, o povo enfastia e é uma chatice; tolera-se quando precisamos dele e mais nada. O que se detesta em Sócrates, não se quer ver em Alegre porque nos deixamos embalar pelos propalados ventos de rebeldia dum poeta com voz de trovão ... mais nada.

    E neste momento quem pretende deixar a dita Esquerda sem alternativa a Cavaco é o próprio Alegre forçando os acontecimentos. Por aí não tenho nada a opor porquanto defendo que em política, naquela que é uma ciência despida de calculismos, quem quer, vai à luta. Agora, não se queira é acantonar toda a Esquerda em torno de uma candidatura que mais não visa que satisfazer um percurso e um ego!

    ResponderEliminar
  4. Superiormente explandado o seu ponto de vista FP, que anda de facto muito próximo do meu, ainda que, e tenho coragem suficiente para o admitir, o meu esteja também, aqui e ali, eivado (mas não turvado) do meu sentimento Anti-PS, que é, digamos assim, a minha mais marcante idiossincrasia partidária (não política, atenção !, mas sim partidária).

    ResponderEliminar
  5. Uma trizteza portanto, as polítiquices rascas portuguesas!
    Xô pra lá, que cheira mal!
    Garcia Pereira à Presidência! :)

    ResponderEliminar
  6. Tristeza...
    Deve ser pelo aguçado esperíto críitco português e análises profundas, o ler nas entrelinhas, que tem colocado no poder sempre os gajos errados! Siga pra bingo no bota abaixismo que é característica "gourmet" portuguesa! :))

    ResponderEliminar
  7. Olha ! sob o ponto de vista da coerência política, e da lealdade à sua matriz ideológica, o Garcia Pereira é (será) sem dúvida um candidato bem mais "limpo" que o Alegre ou o Cavaco (que com o triste episódio das escutas demonstrou que é mais farnha do mesmo saco).
    Mas a esquerda tem a possibilidade de arranjar bem melhor que Alegre e Garcia Pereira.

    ResponderEliminar
  8. Bota aí o nome, Eduardo... :)

    ResponderEliminar
  9. AHAHAHA Quando se critica, diz-se quais são as alternativas... eu não te estou a "ver" na Presidência!! ahhhahhah
    Pelo menos já dei uma! :)

    ResponderEliminar
  10. Eu admiro as pessoas que se mantêm fieis aos seus principios, mas que apesar disso evoluiem, sem ficarem para sempre reféns desses mesmo princípios.
    Neste particular, julgo que o Garcia Pereira se ajusta na perfeição, tem sido um esquerdista férreo, para não dizer extremista, mas que tem sabido acompanhar a evolução política e social.
    Mas eu temo precisamente essa faceta mais extremista que ele ainda denota.
    Na mesma linha dele, considero o Jerónimo de Sousa como um candidato com um perfil político, social, e acima de tudo humano, que se adequa mais ao que eu defendo.
    Isto claro está, para falar de eventuais candidatos, que quase seguramente o serão, porque se formos pensar em pessoas com sensibilidade de esquerda e que poderiam dar bons Presidentes, mas que não serão escolhidos pelos partidos para tal, se calhar outros nomes surgiriam. Não me vem nenhum á cabeça, mas acredito que seriam vários.
    E eu, com tudo isto, qualquer dia ainda sou confundido como sendo Comunista :-)))

    Mas olha que eu como Presidente ia ser positivo para o País.
    Pensa nisso !

    ResponderEliminar
  11. Está descansado Eduardo que vou pensar!... :)
    entretanto penso que terias mais sucesso como presidente do Benfica! :)))
    Mas não penses que Garcia Pereira come criancinhas ao pequeno almoço...
    Irei ao blogue dele deixar a sugestão... já que a Esquerda é para fragmentar... Pelo menos apoio quem merece.

    ResponderEliminar
  12. Intrometo-me novamente para asseverar que se o Eduardo reunir os requisitos impostos constitucionalmente pode ser tão candidato como o Manuel Alegre. Não é por aí,FADA!

    Aliás, num plano absolutamente democrático e das ideias, não há nada que separe ou diminua um do outro.
    Bom, eu não tenho procuração, mas talvez para o PIB nacional seja mais útil o Eduardo que o Manuel Alegre.

    Quanto à candidatura de Manuel Alegre, qual a ideia e o projecto que ele tem para apresentar ao País e à Nação?
    Alguém o conhece verdadeiramente?
    E como é que alguém que esteve sucessivamente no PS com Mário Soares, Vítor Constâncio, Jorge Sampaio, Ferro Rodrigues, José Sócrates, António Guterres se pode apresentar como não tendo nada a ver com a governação do PS que, para o mal e para o bem, o obriga a aceitar o bom e o mal?

    É evidente que o PS, especialmente o PS, tem um problema chamado Presidenciais muito por culpa do estilo adoptado por Sócrates de tudo secar ou procurar secar à sua volta, do aparelhismo que impede a renovação e do facto de o povo ter sempre eleito pessoas oriundas de famílias políticas diferentes para Belém e S. Bento.

    Sabendo isso e que háno seio do PS quem não concorde com a sua candidatura e possivelmente quem não lhe queira perdoar o ter-se afastado quando adivinhava a perda da maioria absoluta que lhe permitiu desempenhar na perfeição o papel de "ebnfant terrible", Manuel Alegre antecipa-se e procura reduzir a disputa eleitoral a dois: Cavaco e Manuel Alegre.
    Tudo o que fuja a este cenário, complica-lhe a vida.
    Também aqui se vê que Alegre é um pífio e um timorato, pois a história ensina-nos que é possível vencer partindo derrotado. Lembram-se duma disputa envolvendo Freitas do Amaral, Mário Soares, Maria de Lurdes Pintassilgo e Salgado Zenha?

    ResponderEliminar
  13. Fada, não tenho, no imeadiato, a menor ambição política para me candidatar a cargos.
    Mas também te digo que tenho cada vez mais vontade pessoal de, um dia, quando dispuser de mais tempo, me candidatar a uma determinada junta de freguesia deste País onde, penso eu, poderia desenvolver um trabalho que melhoraria, e muito, a qualidade de vida daquela população. Projectos para lá não me faltam na cabeça.
    Mas o que me move é mesmo o gosto por poder servir uma população e a minha realização pessoal e nunca pelos factores políticos.
    Até porque não me revejo na integra em nenhum partido político, e portanto teria de concorrer sempre como independente.
    A menos que os Verdes ... talvez assim ...

    ResponderEliminar
  14. É o que eu digo QUINN, apresentem soluções!
    Eu irei mais tarde ao blogue do Dr. Garcia deixar a sugestão... pode ser que ele alinhe! :))

    Muitas entrelinhas para o meu gosto, os dos 5 partidos que fazem PANELA há 35 anos. Pensei que seria imprtante não dividir a esquerda, para que a direita não permanecesse!
    Independentes?! Está bem abelha!
    E o portuguesinho ía nisso?!

    ResponderEliminar
  15. Fada, o Dr. Garcia Pereira não precisa de sugestões; e se não for ele é o Orlando Alves.
    Agora o MRPP vai ter candidato próprio, com ou sem Alegre.

    ResponderEliminar
  16. Fada, é uma pena que de facto os portugueses andem sempre "agarrados" à ideia de que para se votar em alguém, estes tenham de estar presos aos partidos e aos seus triturantes aparelhos.
    Teríamos todos muito a ganhar, principalmente no poder local, em dar votos a muitos independentes que, entretanto surgiriam se soubessem que as pessoas votariam neles e não nos partidos.

    ResponderEliminar
  17. Paulo, e se assim for, é com alegria que vejo surgir essa candidatura. Para que se acabe de vez com esta bicefalia PS/PSD.
    Há mais por onde optar bolas !

    ResponderEliminar
  18. Pois é Eduardo... é mesmo uma pena! Os portugueses alapam-se ás ideias e eu quero é factos. Se o Dr. Garcia Pereira se candidatar, como tem feito...
    A quem dizes que os portugueses não conseguem emigrar para outras nações políticas!... Eu já FUIIIIII!! :)))

    ResponderEliminar
  19. Paulo, o MRPP?! eu quero é escolher a pessoa! Se for outro que não o Dr. Garcia... boa noite! :))

    ResponderEliminar
  20. Fada, Eu também vou pelas pessoas; às vezes também me engano, mas escolho pessoas; quando não as "encontro" voto em branco.
    A minha intenção foi apenas constatar um facto.:))

    ResponderEliminar
  21. "Foi, é e continuará a ser o partido dos oportunistas políticos, que não conhecem o termo “matriz ideológica”, e que conduziram, mais que quaisquer outros, Portugal ao seu estado actual."

    Lamentavelmente, sou obrigado a dar-lhe razão.

    ResponderEliminar
  22. Olá Peter, antes de mais, seja bem vindo aqui a este "cantinho".

    Pois eu tenho esta opinião do PS desde há muito.
    A história do Partido, dos seus lideres, e a de Portugal estão aí, escritas em milhares de sítios, basta que as pessoas as leiam, com espírito crítico e retirem as suas conclusões.

    Eu já há muito que tirei as minhas.

    ResponderEliminar